sexta-feira, 6 de maio de 2016

NOSSA_FORMAÇÃO_"PSICANALÍTICA"_DE_BASE_NAS_FACULDADES_DE_PSICOLOGIA


O inconsciente freudiano e sua articulação em torno da repressão sexual é obra do judaísmo e se encontra na Cabala, Freud apenas adaptou-a para a ciência através do método. 

O que quero dizer é que Nietzsche despertou em Freud o conceito de inconsciente, logo ele começou a desenvolver sua "cabala científica" em nome da "peste emocional" visto que Nietzsche abriu as portas para a transcendência do "homem social" em oposição ao "homem religioso" daí a frase: "deus está morto". Isso para o "poder" era uma grande ameaça. Então a meu ver, Freud cala Nietzsche e mergulha o mundo nas trevas novamente. Tanto é que pouco tempo depois iremos ver nascer a "máquina de guerra" Nazista que assombra o mundo até hoje. Isso está lá no documentário "O Século do Ego". O "poder" fascista nasce dos conceitos freudianos. Reich também evidencia isso em "Psicologia de Massas do Fascismo". 

Se não tivesse existido Freud é claro que existiria Reich. Até porque estava se desenvolvendo na Alemanha a Gestalt com Wertheimer, Kohler e Koffka a trabalhar a percepção humana da realidade como organização sistêmica ou seja: holismo. Muito próximo do que Nietzsche já havia visto e ninguém o compreendia. Reich surgiria então naturalmente sem ter que confrontar forças "demonistas" que o levaram a prisão e sua morte. 

Esse endeusamento de Freud vem da nossa educação "judaico-cristã" da família nuclear que continua na escola e se instaura nas faculdades, principalmente a de psicologia. Não nos formamos em Psicologia mas em Psicanálise Freudiana a ponto de não conseguirmos enxergar sua "peste emocional" que mergulhou o mundo numa escuridão absurda. 

Todos nós pagamos a cadeira de Gestalt, mas o quê nos ensinaram? Nada. Assim como tantas outras escolas. Mas o quê de fato nos ensinaram foi a PSICANÁLISE freudiana como base de toda a psicologia e isso não é verdade. Ligaram Nietzsche à Freud e eles se diferem radicalmente. Até o fizeram chorar! E assim fazem com todas as outras teorias que radicalizam com a Psicanálise freudiana. 

Não vejo de forma alguma "o método clínico de pensamento freudiano" em Reich. Ao criar a "vegetoterapia" Reich radicaliza com a noção de "psicoterapia" de Freud. Dizer que na natureza existem "atos falhos" e compará-los a "anomalias" não é forçar demais a barra da relação freudiana com a natureza? 

Outra coisa, onde se fala em "inconsciente" no budismo?

Nenhum comentário: