sábado, 18 de fevereiro de 2017

PERCEPÇÃO DO MUNDO II

Não, o mundo não é do Diabo. O mundo é cabalístico. Dizer que o mundo é cabalístico significa dizer que o mundo é mágico. Magia essa regida por números, letras e símbolos. No entanto existem duas forças que operam nesse mundo mágico: o bem e o mal. Forças essas representadas por Deus e o Diabo, respectivamente. O primeiro é representado pelo símbolo de Cristo e o segundo pelo símbolo do Bode. Um diz respeito ao espírito e o outro a matéria, ambos, forças opostas que se complementam. No meio dessas forças jaz o homem, pobre coitado. Pobre coitado no sentido sonâmbulo que é. O homem precisa ser acordado pelos seus semelhantes, daí a importância do Outro em nossas vidas, para nos ensinar os seus mistérios. Números, letras e símbolos são mais que artefatos para comunicação, são instrumentos mágicos no sentido mais puro da palavra. O Outro é nosso espelho. Nossa capacidade de enxergar a verdade e se libertar das ilusões do mundo mágico cabalístico. Libertados das ilusões mágicas podemos fazer mágica também, daí o amor. Ao libertar-se das ilusões mágicas encontras o amor. E nos dizem que não há nada além das ilusões. Pois há sim e é o amor. Por isso o amor não pode existir no mundo do Diabo. Entende-se “mundo do Diabo” um mundo regido pelas ilusões mágicas que nos dar uma falsa impressão da realidade. Falsa no sentido de acharmos que só existe a realidade material, descartando a realidade espiritual como nos ensinam na universidade. Quando estamos iludidos tudo falta. A ilusão provoca uma sensação de vazio, pois é ela infinita e o homem nunca ficará satisfeito com uma única ilusão visto que existem milhares. Acordar é o seu destino. Por uma finitude em sua vida, chega de vidas ininterruptas, de ilusões. Chega de papai e mamãe. Somos corajosos demais para não amarmos. 

Nenhum comentário: